sexta-feira, 4 de março de 2011

UM PASTOR COMPETENTE, QUEM O ACHARÁ?



Sair do trivial em busca de emoções é um passo para a imcopetência


Por: Cleison Mlanarczyki


     O trabalho pastoral não é difícil. Tenho que anunciar uma mensagem que não é minha, utilizar uma palavra que não é minha e apresentar uma vontade que não é minha. Quando anuncio o Evangelho, que é de Deus, eu sei que o ministério de Jesus é o exemplo a ser seguido. Quando utilizo a Palavra, que é de Deus, eu sei que não preciso “inventar moda”. Quando invoco o poder, que é de Deus, eu sei que a minha vontade não precisa ser publicada.
     O trabalho pastoral não é difícil. Basta conhecer os principais fundamentos da missão. Parece simples demais? Mas é mesmo! Vejamos: enquanto pastor, eu devo conduzir homens e mulheres aos pastos verdejantes e às águas límpidas e tranqüilas, para que lá saciem a fome e matem a sede. Eu conduzo, mas Deus dá o pasto e a água.
     Mas então, por que ainda erramos? Afinal, se o trabalho é tão simples, por que temos a sensação de que poderia ter sido melhor? Eis a resposta: muitas vezes saio do trivial em busca de emoções pautadas pela minha própria vontade, e as minhas idiossincrasias passam a ser vistas como “sonhos de Deus”. Agir assim é um passo para a incompetência.
     Diariamente corremos o risco de nos tornarmos pastores incompetentes. Você sabia disso?
     Serei um pastor incompetente se render-me às exigências de um mercado religioso que me obriga a empanzinar as ovelhas com novidades espirituais geradas pela conveniência humana, ao invés de tratá-las com a simplicidade e coerência do pasto criado pessoalmente por Deus. Isto é incompetência.
     Serei um pastor incompetente se me deixar subjugar pelas cobranças de um ministério messiânico, onde devo ter resposta para todas as dúvidas, resoluções para todos os problemas, mensagens para todos os encontros, tempo para todas as visitas, dinheiro para todas as literaturas e congressos, sorriso para todos os momentos e disposição para todos os “happy hours” da fé. E, além disso, jamais poderei ser assertivo (proibido dizer “não”). Isto é incompetência.
     Serei um pastor incompetente se me permitir acreditar que sou o dono da verdade. Um pastor que insiste em manter a sua “verdade” a qualquer custo gera um processo cancerígeno em sua comunidade. Se não há paz em um ministério pastoral, não será a verificação de teses e procedimentos que trará de volta a segurança ministerial. Nem sempre um pastor deixa uma igreja por estar errado, mas um pastor sempre estará errado ao insistir ficar onde já não há mais lugar para a sua “verdade”. Isto é incompetência.
     Serei um pastor incompetente se ceder aos infames convites de “multiplicação compulsória do reino de Deus”. O pastor que se rende aos delírios de grupos sectários demonstra que a sua carência e auto-estima chegou ao menor nível possível. A igreja se torna a “Porta da Esperança” com ovelhas “cabos eleitorais”, como se ter gente ao seu lado pudesse ser a prova de que dividir uma igreja faz parte da vontade de Deus. Isto é incompetência.
     Não quero ser um pastor incompetente. Não quero me render ao mercado religioso e fingir ter o segredo de todas as fórmulas de crescimento e sucesso. Quero ser eu mesmo. Quero lutar para eliminar os meus erros, aprimorar as minhas boas qualidades, viver a realidade na qual o meu Senhor me colocou. Quero ser competente.
     Não quero ser um pastor incompetente. Não quero deixar que me façam acreditar que posso ser o Messias. Não sou o responsável por todas as tarefas da igreja. Quero ser eu mesmo. Quero lutar para eliminar a falta de coragem, para delegar aos servos de Deus a sua parte no empreendimento e para realizar o trabalho que pulsa forte em minhas veias. Quero ser competente.
     Um dia entrei em crise! Precisava decidir entre ser um pastor incompetente (e lançar mão de todas as estratégias possíveis e impossíveis para fazer “meu” ministério crescer), ou ser um pastor competente (e ter coragem de utilizar as ferramentas e oportunidades dadas por Deus, sempre em obediência e submissão a Sua tão conhecida ética comportamental e relacional). Em meio à crise fui surpreendido pelas palavras de um amigo distante que, apesar de não o ter conhecido pessoalmente, me fez perceber a importância de suas palavras ao meu ministério:
     “...pastoreie o rebanho de Deus que está aos teus cuidados. Olhe por ele, não por obrigação, mas de livre vontade, como Deus quer. Não faça isso por ganância, mas com o desejo de servir. Não aja como dominador dos que a ti foram confiados, mas seja um exemplo para o rebanho. Quando se manifestar o Supremo Pastor, tu receberás a imperecível coroa da glória”  1 Pe  5.2-4.
     site: www.institutojetro.com

Blog Widget by LinkWithin

0 comentários:

 

PR. ANDERSON SERAPHIM - JESUS CRISTO NÃO É UMA OPÇÃO DE VIDA, É A ÚNICA FORMA DE VIDA Copyright © 2009 WoodMag is Designed by Ipietoon for Free Blogger Template